Encontro online: I ComPETilhando

O evento interPET, realizado em 06 de julho, foi organizado com o intuito de compartilhar as atividades realizadas, os projetos idealizados e as dificuldades enfrentadas pelos grupos da UTFPR no período de isolamento social. A reunião foi mediada pelo petiano Luis Felipe do Nascimento Pinheiro, do PET Tecnologia Ambiental do Campus Medianeira.

O primeiro grupo a se apresentar foi o PET – Conexões dos Saberes – Tecnologia Ambiental, de Medianeira. A petiana Eloiza Piovesan disse que houve aumento das atividades online neste período de distanciamento social, com a adaptação de atividades presenciais como palestras e reuniões para versões virtuais. Entre as atividades desenvolvidas, estão Brincando em Casa com o PET, que toda semana ensina crianças a construir um brinquedo a partir de itens comumente achados em residências; o PETcast, podcast que discute questões ambientais e outras relacionadas à pandemia; Webinars, substituindo as palestras e eventos usuais, muitas vezes com convidados que não estariam disponíveis para as versões presenciais; Desafios via Instagram para engajar alunos a dividir seus interesses em música, filmes e séries de televisão, e que também inclui a realização de sorteios; o projeto Cuide de Você, que foca em saúde mental e conta com um podcast com uma psicóloga e vídeos no Instagram; além da capacitação de petianos e as reuniões tradicionais do grupo.

O PET Tecnologia em Alimentos (Londrina), representado pela petiana Nathalia Ogasanawa, está completando 10 anos em 2020, e para comemorar a data, uma retrospectiva de todas as realizações está sendo compilada, incluindo testemunhos de egressos sobre o impacto do PET em suas trajetórias. Além de reuniões virtuais, atividades de capacitação e a escrita de artigos, o grupo organizou o I Ciclo de Palestras, com convidados da área; o PET Indica, com recomendações relacionadas ao curso no Facebook e no Instagram; e o Informa PET, um boletim informativo sobre as atividades do grupo, assim como notícias da área.

Jaqueline Hagn apresentou as atividades de seu grupo, o PET Agronomia, do Campus Pato Branco, que incluem reuniões online, cursos de capacitação e pesquisas individuais, assim como a organização de dois ciclos de palestras. Estão sendo realizados também seminários quinzenais, produção de conteúdos sobre Educação Ambiental em mídias sociais, e a adaptação do Processo Seletivo para a versão online, excluindo etapas obrigatoriamente presenciais, como as dinâmicas.

O PET Engenharia Química (Ponta Grossa), representado por Calina Ranzani, está desenvolvendo minicursos, rodas de conversas com os grupos PET da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) (com temas como racismo e acesso/permanência na universidade), pesquisas individuais para a produção de artigos, assim como as tradicionais reuniões de modo virtual e os seguintes projetos: Engenharia em Foco, em que os palestrantes compartilham suas experiências na área; Empreendendo com o PET, realizado por meio de vídeos; Teia de Idiomas, com a produção de materiais e reuniões para conversas; Venha Ser Engenheiro, que divulga o curso da UTFPR em escolas públicas e passou do formato presencial para um grupo de whatsapp na quarentena; e a divulgação de informações úteis sobre a Covid-19 e outros assuntos relevantes à pandemia. 

Larissa Oliveira, do PET Tecnologia em Alimentos de Francisco Beltrão, compartilhou o que seu grupo está desenvolvendo no momento. Além das reuniões semanais, houve a atualização do drive e a adaptação para o meio virtual de materiais de projetos como a Gincana de Calouros e o Clube de Mães. Também estão sendo realizadas a divulgação em redes sociais das atividades petianas e de informações essenciais sobre a Covid-19; uma pesquisa com os 108 egressos sobre o PET; lives sobre Engenharia de Alimentos com a ajuda da coordenação do curso no convite de palestrantes; o projeto Lavar as Mãos com o PET, agora na versão Covid-19, incluindo a organização de uma gincana; minicursos ministrados por petianos; e a publicação do livreto do aniversário de 10 anos do PET.

O PET Agricultura Familiar (Dois Vizinhos), representado por Camilla Bazzanella, está organizando lives sobre assuntos gerais e sobre Agronomia, estas últimas com a ajuda da coordenação do curso; encontros online com egressos para comemorar os dez anos do PET; minicursos abertos para a comunidade, cujos temas são escolhidos por pesquisas entre universitários, e outros apenas para petianos; um livro sobre ervas medicinais; o preparo de mudas para a horta medicinal, um dos projetos interrompidos pela pandemia; o controle de formigas no viveiro do grupo; e o PET Compartilhando Vivências, com a participação de convidados para o relato de suas experiências no exterior. 

Representando o PET Produção Leiteira (Dois Vizinhos), Jéssica Verardo descreveu as atividades do grupo, que incluem as reuniões virtuais, cursos de capacitação, a produção de relatórios mensais e de resumos para o SulPET, a organização de lives, e projetos como a Campanha de Prevenção de Doenças Metabólicas, o Animal Topics – que envolve pesquisas individuais sobre a área de atuação do PET – e o I MilkCast, um ciclo de Palestras no canal do YouTube do grupo sobre pecuária leiteira e que conta com a participação de especialistas.

O PET Engenharia Civil (Campo Mourão), representado na reunião pela petiana Ana Caroline, adaptou as reuniões e o processo seletivo para versões virtuais, mas houve grande dificuldades na continuação do projeto Edificar, uma atividade de extensão que pretende ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade com sua moradia. Estão também sendo desenvolvidas capacitações internas e externas, as últimas em parceria com outros grupos PET de Engenharia Civil; a elaboração de livros e apostilas com o auxílio do departamento de física da UTFPR; e o projeto International Life, no qual convidados compartilham suas experiências com intercâmbio, e é a única atividade que a pandemia afetou positivamente por facilitar a participação dos palestrantes.

Heron Faustino, do PET Computando Culturas em Equidade (Curitiba), relatou que houve pouca adaptação ao isolamento social devido à área de atuação do grupo. As reuniões passaram a ser realizadas virtualmente, e estão sendo realizados estudos dirigidos e projetos como um Curso de Acessibilidade na Web; Oficinas e Minicursos online sobre informática e robótica, cujo público alvo eram alunos de escolas públicas, mas devido à pandemia estão sendo ministrados para a capacitação de professores da rede; o PET Recomenda, que promove atividades petianas e cursos desenvolvidos pelo grupo; e a reformulação dos materiais do site e das redes sociais do grupo, assim como a atualização do drive.

O PET Políticas Públicas (Curitiba), representado por Thaise Muraro, está realizando virtualmente as reuniões semanais do grupo, com debates sobre políticas públicas e atualidades, e petianas estão participando de palestras e debates sobre assuntos relevantes à área de atuação do grupo e à crise pandêmica, assim como defesas de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Governança Pública (PPGPGP – UTFPR), além de produzir textos de opinião semanais com temas como direitos humanos, saúde mental, violência doméstica, desigualdade educacional e segurança alimentar. 

O PET/PP organizou duas lives, uma sobre saúde mental e a mais recente sobre a EAD na Educação Básica, em parceria com o PET Comunidades do Campo da UFPR Litoral, para as perspectivas urbana e camponesa. Também junto ao PET/CC, estão sendo produzidos dois artigos paralelos sobre o ensino remoto na rede pública, com a visão de alunos, pais e professores da cidade (PET/PP) e do campo (PET/CC). O grupo participou do InterPET Junino, eventos dos grupos do Campus Curitiba, e está organizando versões online da XIV Semana de Políticas Públicas e do II EnFrente, e o #FocaNoVoto das eleições municipais, com postagens no Facebook e entrevistas com candidatos.

Representando o PET Zootecnia de Dois Vizinhos, Gabriela Moreno descreveu as atividades desenvolvidas, que incluem reuniões online; o curso NRC (alimentação de ruminantes); a produção de uma cartilha para produtores rurais, substituindo um projeto de extensão que incluía visitas às propriedades; a produção de suportes para álcool em gel com pedal para evitar a disseminação do novo coronavírus; e Webinars sobre a área de atuação do grupo e temas relevantes à pandemia, como saúde mental.

O PET Engenharia Florestal (Dois Vizinhos), representado por Glenda Brito, adaptou suas atividades à modalidade virtual, realizando cursos de capacitação online; debates de temas atuais, livros e filmes; apresentação de pesquisas individuais; publicação de artigo em revista sobre o Plante essa Ideia, evento anual do grupo; elaboração do projeto Econsciente; pesquisas sobre temas diversos, como a percepção de produtos florestais não-madeireiros, envolvendo petianos de grupos de vários estados; a publicação mensal do PET News; a organização de um curso sobre Redação Científica ministrado por um professor da UTFPR; o PETcast Floresta, que conta com a participação de convidados da área; e a publicação em redes sociais das atividades petianas.

Leo Vitor, do PET Engenharia Eletrônica (Curitiba), relatou as atividades do grupo, incluindo os projetos da UTFPR de respiradores e a impressão 3D de EPI, o levantamento de dados da Covid-19, em Curitiba e também no mundo, e a divulgação de informações relevantes sobre a pandemia. O grupo está realizando reuniões online e a reestruturação das mídias sociais do PET, além de desenvolver projetos apropriados para a quarentena.

Concluindo a reunião, o petiano Luis Felipe do Nascimento Pinheiro ressaltou a importância de eventos petianos nesse momento, incentivando a organização de mais reuniões e parcerias em projetos, assim como a divulgação conjunta de atividades petianas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *