Reunião dos Grupos PET da UTFPR com o candidato Prof. Schiefler

No dia 26 de junho, Os tutores e petianos dos 14 grupos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná se reuniram com o candidato a reitor, Prof. Dr. Marcos Flávio de Oliveira Schiefler Filho, e o candidato a vice-reitor, Prof. Dr. Heron Oliveira dos Santos Lima, para discutir as propostas relevantes às dinâmicas petianas. Participaram da reunião os grupos PET Engenharia Civil (Campus Campo Mourão); PET – Computando Culturas em Equidade, PET Engenharia da Computação, PET Engenharia Eletrônica e PET Políticas Públicas (Campus Curitiba); PET Engenharia Florestal, PET – Conexões dos Saberes – Agricultura Familiar, PET Produção Leiteira e PET Zootecnia (Campus Dois Vizinhos); PET Tecnologia em Alimentos (Campus Francisco Beltrão); PET Tecnologia em Alimentos (Campus Londrina); PET – Conexões dos Saberes – Tecnologia Ambiental (Campus Medianeira); PET Agronomia (Campus Pato Branco); e PET Engenharia Química (Campus Ponta Grossa).

A reunião, mediada pelo Prof. Dr. Fernando Kuss, tutor do PET Produção Leiteira do Campus Dois Vizinhos, iniciou-se com breve apresentação da trajetória dos candidatos. O Prof. Dr. Marcos Schiefler Filho se formou engenheiro mecânico pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 1989, é mestre em Engenharia Mecânica pela UFSC (1993) e doutor em Engenharia Mecânica pela UFSC, em conjunto com a Helmut-Schmidt Universität der Bundeswehr (HSU) – Hamburgo, Alemanha (2004). Professor do Magistério Superior na Universidade Tecnológica Federal do Paraná desde 1992, foi eleito para o cargo de Diretor-Geral do Campus Curitiba para o mandato 2018-2021, e como membro do Conselho Universitário (COUNI) da instituição para o mandato 2018-2022. 

É também representante para a Região Sul do Fórum Nacional de Dirigentes dos Campi Fora de Sede e Multicampi das Instituições Federais de Ensino (FORCAMPI) desde 2019, e membro do Comitê Gestor do Projeto Curitiba 2035 desde 2018. Foi Superintendente Executivo (Subsecretário) da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, de 2013 a 2014, e tem experiência na área de Educação em Engenharia, Gestão Educacional e Avaliação Institucional e de Cursos de Graduação. Atua há mais de duas décadas como Consultor em projetos de extensão e possui diversos trabalhos técnico-científicos publicados no país e no exterior.

O Prof. Dr. Heron Oliveira dos Santos Lima se formou em Química Industrial pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em 1991, é mestre em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá (UEM – 1996) e doutor em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP – 2001), na área de Bioengenharia. Atualmente é Professor Titular do Departamento de Engenharia Química e Alimentos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Diretor Geral do Campus Campo Mourão, eleito para duas gestões – 2013 – 2021.

Na gestão pública acumula experiência em vários cargos da administração, e no setor produtivo detém considerável experiência como empresário e consultor. É sócio fundador das empresas Clean-up Biotecnologia Ltda e SoinVie do Brasil. É especialista em biossegurança na área de saúde, com notória atuação no desenvolvimento de produtos e processos na área de esterilização. É Investidor anjo na prospecção de novos negócios, em especial para empresas emergentes de base tecnológicas e start-up.

O Prof. Fernando apresentou aos candidatos alguns dados dos grupos PET da UTFPR, que somam quase 200 alunos entre bolsistas e voluntários, divididos nos 14 grupos presentes em 8 campi. Reforçou a importância do Programa de Educação Tutorial nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, e também na formação de um cidadão mais complexo, com mais habilidades e maior capacidade de inovação e envolvimento na comunidade. Perguntou então ao candidato qual seu conhecimento sobre o programa e seu envolvimento com os grupos. 

O Prof. Schiefler foi petiano em sua graduação, e por isso reconhece a importância do programa, que inclui alunos excepcionais, formadores de opinião que exercem influência positiva em seus colegas, além de realizar ações importantes para a comunidade. Comentou as consequências do contingenciamento nos orçamentos das universidades no ano de 2019, que resultou no cancelamento do InterPET do ano passado, e a necessidade de descentralizar os recursos para os campi, com a alocação de recursos para entidades estudantis e grupos culturais, o que já ocorre no Campus Curitiba. Ressaltou a necessidade de ações efetivas de apoio às iniciativas estudantis e a grupos como o PET, como abrir editais para a criação de novos grupos.

O Prof. Jorge Góes, tutor do PET Engenharia Civil do Campus Campo Mourão, discorreu sobre as dificuldades enfrentadas pelos grupos PET na interlocução das PROGRAD com o Ministério da Educação, em particular o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pelas bolsas e custeio dos grupos. Devido à unicidade de interlocutor entre a instituição e o MEC, há grande sobrecarga, o que gera limitação da eficiência e demora nos trâmites oficiais, e leva à priorização de emergências. O professor perguntou então o que o candidato acredita que poderia mudar nas pró-reitorias para agilizar esse processo.

O Prof. Schiefler concordou que há sobrecarga na interlocução da UTFPR com o MEC devido à obrigatoriedade de todo contato ser realizado por uma única pessoa, e sugeriu a descentralização e desburocratização do processo, buscando alternativas para diminuir a quantidade de atribuições do interlocutor da instituição e agilizar as respostas do MEC.

O Prof. Fernando comentou os problemas recentes com as bolsas de petianos/tutores e custeio, e perguntou quais seriam as ações possíveis da reitoria para evitar ou solucionar prontamente situações similares. Também questionou se seria possível uma política de execução orçamentária para o PET, para complementação do custeio proveniente do FNDE, muitas vezes insuficiente, e a criação de bolsas institucionais para os petianos voluntários. 

O Prof. Schiefler disse que sua prioridade em relação ao orçamento institucional é o fomento das atividades fins da universidade, que incluem a graduação e a pós-graduação, as monitorias,  iniciação científica e programas como PET, o que para o candidato não tem sido o foco da atual gestão. Para isso, pretende mudar o modelo de gestão e adotar uma política de descentralização do custeio, que já ocorre no Campus Curitiba, do qual é Diretor-Geral.

A petiana Débora Kreczkiuski, do PET Engenharia Florestal do Campus Dois Vizinhos, realizou o contato com os petianos para a seção de questionamentos. Também membro deste grupo PET, Marcus perguntou aos candidatos quais seriam suas propostas de defesa de permanência do PET junto ao MEC, em caso de tentativa de extinção do programa. O Prof. Schiefler acredita que maior representatividade na Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) seria essencial para defender o programa a partir de uma força maior.

Joeliton Campani, do PET Produção Leiteira (Dois Vizinhos), perguntou se um espaço no site institucional poderia ser reservado para os grupos, com o intuito de divulgar as atividades petianas. O Prof. Heron disse que, apesar da disponibilização deste espaço ser possível, o ideal seria qualificar os canais de comunicação da UTFPR, aumentando a presença em redes sociais e até criando merchandise da universidade, e de entidades estudantis e grupos como o PET, o que faz parte do plano de marketing institucional proposto pelos candidatos.

Representando o PET Engenharia Civil (Campo Mourão), Ana comentou que, por parte de petianos, há impressão que o Comitê Local de Acompanhamento e Avaliação (CLAA) da PROGRAD foca apenas na avaliação das atividades dos grupos e não realiza o acompanhamento, e perguntou para os candidatos se essa situação poderia mudar. Para o Prof. Schiefler, cabe ao gestor conhecer todas as interfaces da instituição, e portanto, o estreitamento da relação dos grupos com a reitoria seria imperativo. 

A petiana Milena, do PET Tecnologia em Alimentos (Francisco Beltrão), pediu a opinião dos candidatos sobre os eventos PET, em particular em relação ao custeio e à liberação para os campi se tornarem sedes. O Prof. Heron se mostrou a favor de disponibilizar os campi para o alojamento nos eventos, e disse que é importante fomentar recursos para que os grupos participem de eventos petianos.

Calina Ranzani, do PET Engenharia Química do Campus Ponta Grossa, questionou a fraca representatividade da reitoria em encontros interPET, em especial as assembleias. Os candidatos responderam que planejam atuar em conjunto para aumentar a participação da reitoria em eventos institucionais, de forma que a gestão seria realizada por dois reitores ao invés de centralizar a atuação apenas no cargo principal. Os professores acreditam que a representação da reitoria em eventos é importante para valorizar o trabalho dos alunos.

Daiane Santos, do PET Zootecnia (Dois Vizinhos), perguntou se haveria alguma medida para ajudar alunos em situações de vulnerabilidade quando ocorrerem atrasos no depósito das bolsas, pois muitos dependem da bolsa do PET para permanecer na universidade. O Prof. Schiefler sugeriu a criação de um fundo de compensação para as bolsas atrasadas e também citou as ações do Campus Curitiba durante a pandemia, como a doação de cestas básicas para alunos vulneráveis, para mostrar seu compromisso.

Renata, do PET Agricultura Familiar (Dois Vizinhos), questionou se haveria possibilidade de fomentar parcerias entre empresas/indústrias e os grupos PET para facilitar a elaboração e o custeio de projetos de extensão, assim como a participação em eventos acadêmicos para divulgação das atividades petianas, pois os recursos disponibilizados pelo FNDE e pela instituição não são suficientes para a maior parte das atividades desenvolvidas. O Prof. Schiefler sugeriu institucionalizar procedimentos em relação aos grupos PET, incluindo o fomento de projetos de extensão e parcerias com o setor privado, além do custeio do transporte e alojamento para participações em eventos.

 Nas considerações finais, o Prof. Fernando agradeceu a presença dos tutores/petianos e dos candidatos. Concluindo a reunião, o Prof. Schiefler agradeceu o convite para o debate, e o Prof. Heron agradeceu a oportunidade de conhecer os grupos PET e disse que os alunos petianos são referência na universidade. O Prof. Antonio Gonçalves de Oliveira, tutor do PET Políticas Públicas e membro da chapa Schiefler/Heron, ressaltou a importância do voto para a concretização da democracia universitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *